Nas últimas semanas, uma reportagem da rede britânica BBC foi muito compartilhada nas redes sociais. A matéria contava a história da invenção do mecânico brasileiro Alfredo Moser, morador da cidade mineira de Uberaba, que descobriu uma alternativa para iluminar sua casa em 2002, ano em que o Brasil enfrentava uma crise energética que gerou apagões e racionamentos de energia elétrica. Ele e seus colegas de trabalho começaram a imaginar como fazer um sistema de alarme em caso de emergência se não houvesse energia e eles não tivessem fósforos. Seu chefe sugeriu utilizar uma garrafa de plástico cheia d’água para refletir a luz do sol e provocar fogo em um monte de mato seco.

A ideia original não deu muito certo, mas Moser percebeu que se fizesse um buraco no teto de um ambiente fechado e encaixasse lá a garrafa com água, ela refrataria a luz do sol do lado de fora e iluminaria o ambiente. Moser conta que o segredo é usar garrafas transparentes bem limpas, e adicionar cloro à água para mantê-la cristalina e sem a formação de algas. Para evitar vazamentos, ele prende as garrafas no teto com cola de resina para manter bem vedado. Em dias de sol intenso, a luz das “lâmpadas de Moser”, que não gastam energia elétrica e não deixam nenhuma “pegada” de CO2 na atmosfera, pode ser equivalente à luz gerada por uma lâmpada de 60 watts.

Foto: BBC Brasil

A invenção mecânico mineiro foi adotada em grande escala em países subdesenvolvidos, principalmente em áreas rurais onde o acesso à energia elétrica é ainda escasso e caro. Nas Filipinas, a ONG MyShelter, que constrói casas feitas com materiais reciclados para famílias de baixa renda, instalou as lâmpadas de garrafa PET em mais de 140 mil casas. As lâmpadas ecológicas também são ótimas para serem usadas em pequenas hortas hidropônicas.

Moser não ganhou nenhum dinheiro com a sua invenção, mas se orgulha de ter ajudado muita gente a iluminar sua casa. Incrível a história deste inventor, não? Que outras soluções simples e criativas para economizar recursos naturais em casa você conhece? Compartilhe conosco nos comentários!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima